quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Enquete Mamma Mia!


Saulo Vasconcelos, Kiara Sasso, Cleto Baccic e Rachel Ripani estão confirmados em Mamma Mia!

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Divulgada para a imprensa a lista dos 32 atores/ cantores/ bailarinos que estarão no novo musical que o Teatro Abril apresenta a partir de 11 de novembro. Mamma Mia! É mais uma superprodução que segue os padrões de seu original que ocupa, atualmente, sete salas de espetáculos em diferentes lugares do mundo.

A versão brasileira é assinada por Claudio Botelho, sem dúvida o melhor versionista dos últimos anos, e, no elenco, estão Saulo Vasconcelos, Kiara Sasso, Cleto Baccic e Rachel Ripani, atores que alcançaram destaque em seus ofícios. Cleto vem de temporada de Cats em que ele alcançou seu quinhão de destaque Harry Bright. Saulo e Kiara nos encantaram, como par romântico, na primeira montagem, do próprio Teatro Abril, de A Bela e a Fera e, recentemente, em A Noviça Rebelde. Rachel Ripani além de sua marcante Alma de Gota d’ Água, em montagem dirigida por Gabriel Vilella, pode ter seu talento cômico conferido na montagem da irregular Vamos?, de Mário Viana. No elenco de protagonistas estão Pati Amoroso e Carlos Arruza.

O musical chega ao Brasil para temporada no Teatro Abril, apresentado pelo Bradesco Seguros e Previdência e co-patrocínio Cielo e Telefonica.

O musical foi originalmente escrito por Catherine Johnson, dirigido por Phyllida Lloyd, com coreografias de Anthony Van Laast, direção de arte de Mark Thompson, desenho de luz deHoward Harrison, sonoplastia de Andrew Bruce e Bobby Aitken, e supervisão musical, materiais adicionais e arranjos deMartin Koch.

O espetáculo rendeu frutos no cinema. Rodado na ilha grega Skopelos, nas Espórades, o filme homônimo – cujo título deriva da famosa canção de 1975 MAMMA MIA! – foi produzido pelo Universal Studios em conjunto com a empresa de Tom Hanks Playtone e a Littlestar. Mery Streep fez o papel de Donna Sheridan. Pierce Brosnan, Colin Firth e Stellan Skarsgard viveram na tela os três homens. A personagem de Amanda Seyfried era Sophie.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Processo Criativo

Entrevista de Thiago Xavier com Saulo Vasconcelos!


Todo o artista passa por um processo criativo com o objetivo de obter uma expressão de arte mais fiel a sua ideologia de perfeição. Sendo assim, cada artista cria seu próprio método de criação, mesmo que baseado em conceitos e ensinamento de outras pessoas.

O processo criativo pode ser denominado como o processo de vir a ser, isto é, criar significa dar origem, formar, gerar, produzir, inventar, imaginar. Esta criação resulta na obra de arte.




Thiago Xavier: A preparação e concepção de um personagem sempre exigem treino, ainda mais quando envolve a parte física (voz e expressões) e emocional (ator e personagem). Stravinsky diz que criação é 99% transpiração e 1% inspiração. Assim, como é a preparação técnica para o trabalho de um personagem?

Saulo Vasconcelos: Acredito muito em Stravinsky. Aliás, não sabia dessa opinião dele à respeito da arte em geral. Não acho que seja exatamente nessa proporção, porque querer "matematizar" algo tão subjetivo é até contraditório. Mas, por outro lado, acredito muito mais no trabalho, no estudo, na pesquisa, do que propriamente no talento. A preparação técnica não é diferente. Todos os dias, num processo de ensaio, se prima pela repetição e, através da repetição, o aprimoramento da personagem, bem como do espetáculo. Durante a temporada, já entrando numa nova fase, vem em primeiro lugar a manutenção do que foi estabelecido como "regra do jogo", vamos dizer assim. O que foi determinado no período de ensaios será referência pro resto da temporada, longa ou curta. E é isso que o ator tem que saber cumprir, tecnicamente. Óbvio que há dias em que a inspiração te leva à um outro nível, uma espécie de nirvana artístico, mas nem sempre a inspiração está lá. Então, é exatamente a "transpiração" que vai ajudar o ator a se manter vivo e com qualidade no espetáculo, principalmente num longo prazo.


Thiago: A busca de referências para construir um personagem faz parte do processo criativo, pois o ator precisa sentir e acreditar no que vive no palco para convencer o público que o assiste (o “SE mágico” de Constantin Stanislavski). Contudo alguns personagens, como Fantasma, Old Deutoronomy e Fera não têm muitas referências por não existirem na vida real. Como é feito esse processo de criar sem referências físicas?

Saulo: Discordo no caso do Fantasma. Lembremos que não se trata de uma personagem de fábulas, muito menos fantasioso. Existem até teorias de que ele realmente existiu. Mas a coisa já tomou uma proporção tão grande, que hoje em dia não se sabe mais o que é fantasia e o que é real. Sempre pensei nele como um ser humano, com uma deformação física aguda e traumatizante, extremamente obcecado por uma mulher. Não como um espírito ambulante que tem poderes paranormais. O texto mesmo diz isso. Suas habilidades como mágico, arquiteto, compositor, músico, davam a ilusão ao público de que ele tinha realmente poderes sobrenaturais ou pudesse ser um espírito, mas em momento nenhum eu o enxerguei dessa forma. No caso da Fera, a coisa era realmente um problema, porque eu não tinha referência real para conceber a personagem. Então eu mantive a essência das emoções no plano humano e busquei, no corpo, a "animalidade". Separei, isolei, esses dois aspectos importantíssimos pra um ator. O corpo também fala. E, ao saber que a maguiagem foi baseada numa mistura de leão com búfalo, procurei analisar esses dois animais, no zoológico e na TV, e encontrar em meu corpo a melhor forma de expressar isso em cena. No caso do Bom Deuteronomy, ensaiamos exaustivamente a parte física, com exercícios de improvisação felina de 30 minutos, antes de começar os ensaios das cenas. Isso ajudou muito o corpo a entrar nos moldes de um gato. Gatos não cantam, não andam em duas patas, não fazem coreografias, enfim, não fazem um monte de coisas que fazemos no palco. Mas é uma referência apenas. É a base do que será o jogo em cena. Feito esse trabalho, também me foi colocado que o Bom Deuteronomy era uma espécie de Buda dos gatos. Essa também foi mais uma referência interessante pra concepção final do que eu criei pra personagem.


Thiago: O maior medo do artista é cair na rotina. O coração de quem cria sempre procura novos desafios e novas formas de expressar toda sua arte, emoção e sentimentos. Alguns espetáculos ficam em cartaz por vários meses, ou seja, muitas apresentações seguidas e repetidas. Como fica o lado criativo de querer inovar sempre nessa situação?

Saulo: Inovar sempre pode ser um grande erro. Às vezes, o mais importante é manter as coisas simples. Entrar em cena pensando em inovar e ser genial, pode ser o primeiro sinal de não cumprimento de uma premissa básica do ator. Ser real, verdadeiro. Se o ator entra em cena com esse objetivo, tudo fica mais fácil. Ou menos difícil. Porque realmente, numa temporada de mais de 100 apresentações (existem casos de temporadas que duram 500, 600 apresentações), o maior desafio, pra mim, é se manter motivado e vivo em cena. Esse número impressionante de apresentações por semana, que podem vir a oito, como é o caso do Estados Unidos, e em algumas produções no Brasil, que chegam a sete por semana, tem um objetivo comercial. Quanto mais apresentações, mais dinheiro se arrecada com um determinado espetáculo, mais lucro pra empresa que o trouxe. Esse esquema massacrante cobra do ator o seu preço. Em espetáculos como CATS, A Bela e a Fera, Chicago, onde o corpo é mais exigido, não é incomum o surgimento de lesões físicas durante a temporada. Essas lesões podem bombardear a motivação de um artista em cena. Além, claro, do aspecto citado na pergunta. O surgimento de uma sensação de rotina. Realmente acredito que cada um tem sua forma de combater essa sensação. Pra mim a motivação de estar em cena vivo é o mais importante. Vivo, no sentido de elétrico, presente, "jogando" (cenicamente) com os companheiros em cena. Quando me sinto assim, sei que estou bem. Bem pra mim e bem pro espetáculo. E outra, a rotina não necessariamente é ruim. Rotina, no sentido de ritual, pode te ajudar muito a "entrar no clima" pra peça.


Thiago: Sempre que pode o artista aprimora sua obra. Hoje você é reconhecido como a maior referência do teatro musical brasileiro. O que acredita que precisa ser aprimorado em seu trabalho?

Saulo: Tudo! Meu corpo muda com os anos, minha voz, minhas experiências de vida (que contribuem em muito pra estar em cena com verdade). Eu não acredito em regras. Mas acredito que é uma tendência natural, do ser humano, em todos os aspectos, buscar a evolução, o crescimento. Existe sempre uma mudança interna e uma externa. E se aprimorar implica em conciliar esses dois aspectos. Entender o que está acontecendo internamente e depois olhar ao seu redor e se adaptar. Existem tendências de técnica vocal, de linguagem cênica, novas técnicas de dança. Mas existe existe também a sua mudança interna. O que você aprendeu durante anos. Aquilo que te torna único e especial.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Mamma Mia!



O musical, fenômeno mundial, Mamma Mia, chega ao Brasil e estreia no próximo dia 11 de novembro, no Teatro Abril. A produção ganha versões de Cláudio Botelho e conta com Kiara Sasso, Saulo Vasconcelos e Rachel Ripani no elenco de 32 atores. Ainda em cartaz em sete teatros do mundo, incluindo um em Londres, o espetáculo já se apresentou em mais de 240 cidades.

Uma mãe. Uma filha. Três possíveis pais. Um dos mais famosos musicais do mundo, Mamma Mia! está com ingressos à venda.

Como protagonistas, Kiara Sasso no papel de Donna (a mãe), Pati Amoroso na pele da filha, Sophie; Saulo Vasconcelos, Cleto Baccic e Carlos Arruza, respectivamente, Sam, Harry e Bill (os três possíveis pais). A atriz Rachel Ripani interpreta Tanya, a melhor amiga de Donna, divorciada três vezes e rica. A produção brasileira do espetáculo contará com figurinos e cenários originais, além de versões de Cláudio Botelho para 23 músicas do grupo ABBA.

Sucesso arrebatador que já foi traduzido para 14 idiomas, como japonês, italiano, coreano, dinamarquês, francês, alemão, espanhol e russo, Mamma Mia! está simultaneamente sendo apresentado em sete diferentes teatros do mundo, incluindo a produção original em Londres, Broadway e Estados Unidos, além das turnês australiana, coreana, japonesa.

Nos próximos anos, produções do musical vão estrear em Milão, Copenhagen, Paris, China, Madri e África do Sul. Na trilha do sucesso nos últimos 11 anos desde sua première em Londres em 1999, a peça estreou em um maior número de cidades do mundo mais rapidamente que qualquer outro musical na história.

A produção foi originalmente escrito por Catherine Johnson, dirigida por Phyllida Lloyd, com coreografias de Anthony Van Laast, direção de arte de Mark Thompson, desenho de luz de Howard Harrison, sonoplastia de Andrew Bruce e Bobby Aitken, e supervisão musical, materiais adicionais e arranjos de Martin Koch.

Considerado um fenômeno global pela imprensa internacional, Mamma Mia! marcou a história dos musicais em apenas 11 anos de estrada e tornou-se referência nos principais palcos europeus, assim como na Broadway, em Nova York, por todos os Estados Unidos.

Serviço ä Mamma Mia. Local: Teatro Abril, avenida Brigadeiro Luís Antônio, 411, Bela Vista. Dias e horários: quartas, quintas e sextas, às 21h; sábados às 17h e 21h; domingos, às 16h e 20h. Estreia: dia 11 de novembro.

Ingressos para o musical "Mamma Mia!" estão à venda por até R$ 250

Visto por mais de 42 milhões de pessoas em todo o mundo, o musical "Mamma Mia!" estreia no Teatro Abril (centro de São Paulo) em 11 de novembro. Os ingressos já estão à venda por telefone (4003-5588) e pela internet (www.ticketsforfun.com.br) --os preços variam de R$ 80 (balcão, às quartas, quintas e aos domingos) a R$ 250 (setor VIP, às sextas e aos sábados).

A produção brasileira traz versões de Cláudio Botelho para 23 músicas do quarteto sueco Abba, além de elenco composto por 32 atores, incluindo Kiara Sasso (no papel da mãe, Donna), Pati Amoroso (a filha, Sophie), Saulos Vasconcelos, Cleto Baccic e Carlos Arruza (respectivamente Sam, Harry e Bill, os três possíveis pais).

Atualmente, a montagem está em cartaz em sete teatros ao redor do mundo, incluindo Londres, Austrália, Japão e EUA. No Brasil, serão sete sessões semanais.

Teatro Abril - av. Brigadeiro Luís Antônio, 411, Bela Vista, centro, São Paulo, SP. Tel.: 0/xx/11/4003-5588. 1.530 lugares. 2h40. Estreia: 11/11. Qua., qui. e sex.: 21h. Sáb.: 17h e 21h. Dom.: 16h e 20h. Ingr.: de R$ 80 (balcão, às quartas, quintas e aos domingos) a R$ 250 (setor VIP, às sextas e aos sábados). Classificação etária: livre (menores de 12 anos acompanhados dos pais ou responsáveis legais).

domingo, 26 de setembro de 2010

Almoço com Saulo Vasconcelos: Banda

Saulo Vasconcelos com a galera do almoço falando sobre sua banda 'Zona Morta' a qual ele participava em Brasília, antes de se tornar cantor/ator internacionalmente conhecido. No vídeo Saulo canta até um pouquinho de 'olha 43'. Imperdível!!

video

Gravação: Viviane Oliveira

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Almoço com Saulo Vasconcelos: Lustre do Fantasma


Nos próximos dias disponibilizaremos trechos da conversa de Saulo Vasconcelos com a Galera do almoço aqui no Blog fiquem atentos. Segue a primeira parte: Lustre do Fantasma.


video



Gravação: Viviane Oliveira

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Saulo Vasconcelos - O Rei dos Musicais



"Penso há 10 anos atrás eu vejo um negócio desses: falam 'o rei dos musicais'. As vezes num tenho noção disso. Tipo 'to' ali jogando vídeo game com os amigos e não 'to' prestando atenção nisso. Estudei para isso, faço o meu personagem com a minha voz e pronto, não é?!"



E é... a simplicidade de um gigante. O gigante gentil empõe respeito na altura, mas o talento ultrapassa facilmente esse'gigantismo'.

Consegui o privilégio, o prazer, de conversar com este astro minutos antes de sua preparação para o espetáculo, e o resultado desse encontro vocês conferem aqui:

São 10 anos na estrada... Qual o gênero mais difícil de estar trabalhando dentro do musical?

O gênero ‘Cats’. Musicais estilo ‘Cats’, que exigem além de que você esteja em perfeita saúde vocal, que você tenha um condicionamento físico fenomenal. Em ‘A Bela e a Fera’ também foi muito pesado. Todos os que eram personagens de cena - os objetos do castelo, o relógio, o candelabro, o bule e a fera - todos eles tinham roupas muito pesadas e se movimentavam muito. Aquilo ao longo prazo vai machucando, porque é um peso extra e um calor que o corpo não está acostumado e vai cobrando o preço quando se faz sete espetáculos semanais nessas condições.

Aqui em ‘Cats’ não é diferente, porque temos 26 ‘atores-atletas’, fora eu a Paula que praticamente não fazemos parte do núcleo de dança. Nós somos uma coisa a parte mesmo: eu fico mais sentado, pois o meu gatinho é um senhor de idade e líder espiritual. Ele fica sentado o tempo todo ali no fundo. E a Paula, ela também é uma gata já velha e meio que se arrastando, renegada pela tribo... Então não temos muito isso. Mas o espetáculo ‘Cats’ é um dos mais difíceis, inclusive em termo de preparação física.





Você trabalha hoje com o Nuno Cobra, que já foi preparador de Ayrton Senna...

Estou trabalhando com ele, mas foi uma grande coincidência no final, porque eu estou buscando um pouco mais de qualidade de vida. Eu acordava com dor de cabeça, nas pernas e um pouquinho sem ânimo para começar o dia, e com ele isso simplesmente acabou -passou – curou.


Tem mais alongamento, mais resistência no caso?

É uma coisa muito difícil de explicar... Tem que ler o livro dele pra entender. Nem atrevo a explicar. O livro dele chama ‘A Semente da Vitória’, e para ter uma idéia, o livro já tem mais de 90 edições.

Realmente o trabalho dele é muito tranqüilo. É dia sim, dia não, no máximo uma hora e é uma coisa que traz pra você um benefício impressionante. Ele não fala de forma física assim de estar malhado e forte. Você pode olhar para uma pessoa que está bem fisicamente, super saudável, super bem-disposta, e ela está um pouquinho acima do peso, com olheira e o aspecto externo não tem nada a ver.

Em tua formação acadêmica, você se formou exatamente em que?

Eu cheguei a abandonar meu curso de economia no último semestre porque fui chamado pra fazer o Fantasma da Ópera, e desde então não tive tempo pra poder pensar em fazer faculdade. Não aconselho isso, não sou um exemplo a ser seguido, mas também acredito que a educação no Brasil, no meu ponto de vista, na minha opinião singela, precisa ser melhorada. Porque nós às vezes somos obrigados a estudar muitas coisas que não se aplicam! Ou então, temos uma rotina massacrante de estudos e quando nos formamos estamos tão devastados, cansados para começar a trabalhar, sabe... Então acho que tudo isso tinha que mudar entendeu? Tem que mudar um ‘pouquinho’ a educação no Brasil. Mas não, eu não cheguei a completar...



Na parte artística então você não fez uma faculdade...

Não. Eu sempre estudei com ‘os melhores professores que o dinheiro podia pagar’. Porque, por exemplo, no Brasil se você quer estudar teatro musical, não tem. Tem umas escolas, mas você não consegue entrar em uma Universidade pra se formar em teatro musical. Ou você faz música, ou você faz artes cênicas. Você não tem como fazer um pouquinho dos dois...

É triste, mas é verdade..






E cuidados com a voz? Quais você tem?

TODOS...

Qual a rotina para manter a voz?

Primeiro você evitar um pouquinho de álcool em excesso. Por exemplo, eu tomo uma taça de vinho todos os dias, obrigatoriamente. Porque é super saudável, não porque eu adore vinho, não viva sem vinho... Nem faço questão, mas é porque é saudável.

Mas é bom controlar. Por exemplo, você encher a cara num sábado sendo que tem dois espetáculos no domingo, num é certo. Mas dá para ir até mais tarde, tomar umas 4, 5 caipirinhas num domingo a noite, que tem até quinta feira pra recuperar.

Laboratório para o teu personagem, como foi? Chegou a observar os gatos velhos?

Observei mais o leão, que é maior, mais forte, como seria eu. E observei que ele tem gestos muito lentos, mesmo quando ele está andando, anda com um certo peso, você sente a musculatura dele... Não é uma coisa igual o ‘filhotinho’ de gato, não é?! E todos os dias chegávamos 30 min antes de começar os ensaios (na época em que estávamos ensaiando para estrear o espetáculo) pra fazer improvisações de gatos, orientados pelo nosso diretor, o Richard. E ele falava: ‘agora vocês estão alertas’, ‘agora apreensivos’, ‘agora relaxados’, ‘agora vão dar voltas no espaço e explorar pequenos objetos no chão’... Mas isso como um gato ‘neh’... Isso te da base, porque o diferencial desse espetáculo é isso. Você não tem um ator fingindo que é um gato. Você tem um pessoal que está o tempo todo atento, de prontidão – felinos.


No caso qual o gatinho que você, Saulo, e não teu personagem, escolheria para reencarnar no céu dos gatos?

Escolheria a Grizabela mesmo, por compaixão... A personagem da Paula Lima por uma questão de compaixão, porque depois que ela canta ‘Memory’ não tem como não perdoar! Que é exatamente quando ele perdoa e fala ‘olha você é escolhida, você vai para o paraíso’. Mas se não fosse ela, a segunda opção seria o GUS, que é um gato velho que é um ator e tem tremedeira, paralisia, está bem velhinho já... Eu o escolheria.

O ator que faz ele também faz o Bustopher Jones... Ele é ótimo: Fernand Patau. Faz 2 papéis, e ainda faz parte do coro...



Você lançou um single...

Foi lançado em dezembro do ano passado, e está sendo vendido aqui no teatro exclusivamente ou por Internet, e também em algumas livrarias. São duas faixas ‘Pretty Words’ e ‘Baby Baby’, coloquei uma faixa bônus para pelo menos valer a pena...

Parte de composição, você trabalha nisso também?

Trabalho mais ou menos... As composições são de André Cortada. Eu dava um toquinhos, assim, sabe, às vezes a música se perdia um pouco e eu falava: ‘não ó, condensa mais isso aqui’... Porque eu tenho noção de composição e regência, já estudei isso com ‘os melhores professores que o dinheiro podia pagar’, como eu já disse antes. Então você tem uma noção de quando a música se perde um pouco, ai você fala: ‘não, repete aqui a estrofe’, ‘faz o refrão assim’, ‘explora mais esse tema blá blá blá’. Mas, por exemplo, em ‘Baby Baby’ eu não mexi em nada. Ele que fez tudo assim, perfeito! Estava uma música pronta já, não dei ‘pitaco’ nenhum. Na ‘Pretty Words’ sim, dei vários ‘pitacos’.

E essa é a vertente musical que você está querendo seguir em sua carreira de cantor solo?

Foi coincidência. Meu agente me levou até o André Cortada e conheci o trabalho dele como compositor e falei ‘ah quero gravar algumas faixas’. Mas, por exemplo, poderia fazer um trabalho com músicas de musical, com grandes composições de musical. Poderia ser uma coisa com a voz mais impostada, poderia... Mas acho que é mais verdadeiro assim, fazer uma coisa mais solta, mais leve. Muito diferente do que eu faço aqui no palco. De repente fazendo assim um ‘popzinho’, mas um pop diferente, com uma certa qualidade vocal. Acho que o que diferencia o produto é isso, quando você tem uma formação que vem do lírico, do teatro musical e vai gravar um cd pop, você coloca uma coisa sua ali sem perder o estilo... E acho que isso é o diferencial...





-----------------



Encerramos a entrevista para que Saulo pudesse se ‘maquiar’ e ‘entrar’ no personagem, faltando menos de uma hora para o início do musical.

A temporada de Cats no Teatro Abril infelizmente já acabou... O musical foi agora para o Rio de Janeiro... (sem Saulo Vasconcelos) e a curtíssima temporada será de 16 de outubro à 21 de novembro.

Mas se você já está com saudades dos GRANDES musicais, aguardem!

Em novembro, estréia MAMMA MIA, outra grande obra que virá nos brindar os olhos, e ouvidos! Os grandes sucessos do ABBA narrando uma linda história de amor pela vida!

Revista Sopranini

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Fotos do Almoço com Saulo Vasconcelos

No último sábado, 18.09.2010, Saulo Vasconcelos esteve no restaurante Gigetto almoçando com seus admiradores. O ator chegou cumprimentando a todos e já sorteando um programa de Cats e dois CDs do Single ‘Pretty Words’. Logo em seguida a galera quis retribuir os presentes e encheram o Saulo de lembrancinhas das mais variadas e lindas.

O artista ficou por volta de duas horas no local falou sobre os mais diversos assuntos e respondeu as curiosidades da galera.

video

E em breve video de um pedacinho da conversa do Saulo com o pessoal gravado por Viviane!!
E vejam também: 'Momento tietagem explícita' por Regina uma das participantes do almoço.

Fotos: Participantes

sábado, 18 de setembro de 2010

Entrevista com Saulo Vasconcelos, ator de Cats


Saulo Vasconcelos é um dos ícones do teatro musical no Brasil. Depois de protagonizar sucessos de bilheteria e crítica, o ator aceitou o desafio de encarnar Bom Deuteronomy, o “gato velho”, na mega produção Cats.

O espetáculo aclamado no mundo todo, figura em segundo lugar na lista dos maiores e mais vistos musicais de todos os tempos. As cortinas da temporada paulista da produção, que teve sua versão brasileira assinada por Toquinho, se fecham no domingo (20).

O espetáculo então embarca para o Rio de Janeiro, onde cumpre temporada no Vivo Rio, com algumas modificações no elenco.

Uma das mudanças será no Bom Deuteronomy, papel que será assumido pelo ator Fernando Palazza que atuava como cover de Saulo, na temporada paulista. Ao se despedir de seu personagem, Saulo falou ao R7 um pouco mais sobre suas impressões a respeito da peça e convida a todos para as últimas sessões em São Paulo.




R7 – Você já havia trabalhado com boa parte dos atores que hoje integram o elenco de Cats, como é a experiência de dividir novamente o palco com velhos conhecidos e como se sente em relação aos novos colegas de profissão?

Saulo Vasconcelos – Acho que eu já havia trabalhado com a maioria. Fabiane Bang, Séfora Araújo, Fernando Palazza, André Saporetti, Fernando Patau, Mariana Hidemi... Conheci gente nova como Dani Monteiro, Jhean Alex.. Gente nova e boa. Fiquei bem impressionado com eles. Foi aí que eu comecei a gostar de Cats. Vou sentir muita falta desse elenco em termos de astral, de disciplina e de talento.

R7 – Como era sua relação com o musical antes disso?

Saulo – Quando eu vi no exterior, achei muito fraco, com o elenco cansado e desestimulado. Acabei me confundindo e cometendo o erro de confundir o elenco cansado com um espetáculo ruim. Se o elenco não estiver bem, não adianta o espetáculo ser maravilhoso que não se consegue um resultado bacana.

R7 – O que considera ter sido seu maior aprendizado no Cats?

Saulo – Humildade. Pois eu tive a oportunidade de fazer um grande protagonista em outro musical aqui em São Paulo e fiquei em dúvida. Achava que poderia me destacar mais fazendo outro espetáculo. Mas lembrei de um ditado que diz que não existe espetáculo pequeno, personagem pequeno. O ator quem faz o papel ser grande ou se destacar. Ele será importante ou não dependendo do carinho com que você o faz.

R7 – Qual o seu momento favorito na peça?

Saulo – A partir do momento em que entro em cena, tudo é diversão. Eu sinto uma alegria muito grande, principalmente na troca com o resto do elenco. Por ser uma figura de respeito e amada por toda a tribo, isso acaba me estimulando muito a me manter fresco e aceso em cena.

A cena final talvez seja especial porque o Bom Deuteronomy fala ao público e aos gatos, o que é ser um gato. Ensina valores como quando diz que um "gato tem os seus direitos e dará seu coração a quem lhe der carinho, amor, amizade e consideração".

Ou talvez num momento mais profundo de reflexão, no início do segundo ato, quando ele reflete sobre os bons momentos que vivemos na vida. Que a experiência vivida em uma vida se reflete não só naquela, mas em várias gerações, como uma espécie de energia em constante movimento.

R7 - Vai sentir saudades de que aspectos do Bom Deuteronomy?

Saulo – Vou sentir saudades da paz que ele transmite. Do amor que flui tanto de seus olhos como de sua mera presença em frente ao resto da tribo. Ele tem tudo o que buscamos na vida: equilíbrio, serenidade, bom senso. Coisas que eu não tenho muitas vezes.

Cats
Onde: Teatro Abril – Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista
Quando: Quintas e sextas às 21h, sábados às 17h e 21h e domingos às 16h e 20h – Até 19/09
Quanto: de R$ 70 à R$ 200
Informações: http://www.musicalcats.com.br/



R7 Cultura

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Os gatos vão subir no telhado

O musical Cats termina temporada no teatro Abril neste domingo, e depois segue para o Rio

Esta é a última chance para ver a versão em português do musical Cats. O espetáculo, em cartaz no teatro Abril desde março, sai de cartaz neste domingo. Há ingressos para todos os dias.

Adaptada em mais de 20 países e traduzida para dez línguas, a montagem, que leva 38 artistas para o palco, tem versão nacional musiscada por Toquinho.

A cantora e jurada do reality show Ídolos, da Record, Paula Lima, interpreta a gata Grizabella, personagem que, rejeitada pelo grupo de gatos denominado Jellicle Cats, canta o tema "Memory", clássico eternizado na voz de Barbra Streisand e regravado por Susan Boyle. O ator Saulo Vasconcelos, que atuou nos musicais O Fantasma da Ópera e A Bela e a Fera, também está no elenco, que ainda tem Sara Sarres e Cleto Baccic.

O clássico da Broadway, concebido por Andrew Lloyd Webber, estreou em 1981, em Londres. O texto, sobre o encontro anual dos Jellicle Cats, é inspirado no livro infantil Old Possum's Book of Practical Cats, de T. S. Eliot.

Vista em 300 cidades, a peça ganhou mais de 30 prêmios. Entre os troféus estão sete Tony, o equivalente do teatro ao Oscar; e um Grammy. Após sair de cartaz em São Paulo, o musical segue para temporada no Rio de Janeiro, que começa no dia 16 de outubro, no Vivo Rio.



Destak

domingo, 12 de setembro de 2010

Video de Agradecimento de Saulo Vasconcelos

Assista o video de agradecimento de Saulo Vasconcelos para todos que participaram enviando suas frases para o almoço do próximo dia 18.09.2010

video

sábado, 11 de setembro de 2010

Resultado: "Almoço com Saulo Vasconcelos"


Primeiramente parabéns para os ganhadores e obrigado pela participação. Agradecemos a todos ao carinho e disponibilidade que tiveram ao escreverem suas frases e mandarem para nós. Foi muito dificíl escolher apenas trinta frases diante do elevado número de participantes, com isso, em diversos momentos tivemos vontade de levar todas as pessoas para o almoço, porém não era possível. Mas precisávamos escolher e diante disso segue abaixo as trinta frases escolhidas por Saulo Vasconcelos e sua equipe.

As demais instruções aos ganhadores seguirão em breve via email, aguardem.


Amanda Nak

Pequenos detalhes da vida fazem a diferença: um gesto, uma palavra, uma atenção. Saulo valoriza tudo isso com uma "simplicidade grandiosa". Como isso é possível? Saulo emana brilho, doçura e tem algo especial: a essência! É impossível pensar nele e não sorrir, os olhos não brilharem; aproximar-se dele e não sentir uma energia fantástica!

Por ser grande admiradora da pessoa e do cantor, e por me proporcionar tanto sentimento bom, (mesmo fisicamente longe), é que quero estar com ele NESSE dia e SEMPRE!


Julia Barbosa

Eu não teria razões para tentar entender o caminho da história de alguém se essa pessoa não tivesse atingido a minha história.’

Antes eu, depois de vê-lo e ouvi-lo, ele e muito depois eu. E se me restasse a opção de não ter vivido Saulo em Fantasma da Ópera, seria apenas eu, e o eu sozinho não tem graça. Logo, se não se abrem as cortinas é apenas eu, mas se forem abertas, será Saulo e eu...

Andréia Bueno

Saulo, meu lindo, desejo muitíssimo almoçar contigo pois além do fato de você ser uma ótima companhia com esse alto astral, incomparável simpatia e ótimo humor, me traz alegria e eu amarei ter a oportunidade de conhecer e conviver com o Saulo que não é aquele que a maioria das pessoas conhece, aquele que nesse momento não estará atuando, que nesse instante não será o ator/cantor que faz toda a diferença nas nossas vidas e sim será o homem gentil, sorridente, atencioso, humilde, gentleman, enfim: Você! Desejo conhecer essa outra faceta sua.

Bruna Azzari Puga

Meio difícil falar porque gostaria de almoçar com o Saulo Vasconcelos em apenas uma frase, mas terei que fazer um esforço. Ele é uma inspiração pra mim, não só para os meus sonhos, mas para a minha vida. Desde a primeira vez que o vi nos palcos senti uma energia maravilhosa vindo dele, que me fez querer vê-lo lá em cima mais vezes, querer prestigia-lo muitas e muitas vezes, sentir essa felicidade que eu senti no começo. E todas as vezes foi dessa mesma forma. Me impressiono com como me emociono sempre, com a minha mãe me contando que ela cantava pra mim uma música que ele cantou no palco quando eu era pequena, por exemplo. Por todas as pequenas coisas que eu sinto ao vê-lo atuar e cantar, espero poder ter essa oportunidade de almoçar com ele.


Simone Diniz

Se ao menos pudesse conhecer o que há por traz das feras e das máscaras que você me mostra, não seria apenas a tua voz que induziria o meu coração a lhe amar tanto assim

Maria de Fátima

Talvez as pessoas não entendam a importância que você tem na minha vida, mas eu e você sabemos, isso é o importante. Por isso vc estará para sempre no meu coração!"

Bruna G. Quintana

Gostaria de almoçar com Saulo Vasconcelos porque além de um grande ator, ele é uma pessoa muito atenciosa com os fãs, sendo assim, seria muito bom ir novamente do Rio Grande do Sul até São Paulo para que pudesse desfrutar do almoço e assistir novamente o espetáculo CATS, claro, com a promessa dele de torcer mais uma partida para o Grêmio.

Caroline Lima

Porque ele é aquela pessoa que me fez sonhar em tantos momentos... Que me encantou e tocou sempre a minha alma com sua voz divina... Ao mesmo que com o enorme sucesso, manteve em seu coração a humildade que só os grandes conseguem ter! Só você me emociona... Obrigado, por ser assim.


Regina Laura

Falar porque gostaria de almoçar com o Saulo Vasconcelos em uma frase?

É quase impossível, mas posso tentar...

"Porque gostaria de erguer um brinde a esse artista, que com todo seu talento e sensibilidade, tantas vezes já me fez chorar, rir, sonhar, voar e me emocionar sem medida

Thiago Xavier

Esperei 20 anos para contemplar um musical. Alguns segundos para me apaixonar. A vida toda para amar. Quanto tempo mais preciso esperar para conhecer aquele que tanto me emociona?


Thiago D´Castro

Por que almoçar com Saulo Vasconcelos?

Bom será porque ele vai pagar ou então será porque ele é um icone do teatro brasileiro ou será porque ele canta pra dedéu ou será pela simpatia ou será pela humildade ou então pela humanidade ou quem sabe só pra atormenta-lo ou será pra elogiá-lo ou quem sabe pra fazer uma nova campanha ou apenas pela simples companhia, quem sabe? só sei que quero!


Sissy

Além de ser um artista renomado, com grande talento musical, Saulo é uma pessoa incrível. Demonstrou seu dom, fazendo os fãs torcerem pelo vilão, Fantasma da Ópera, se emocionarem na transformação de uma Fera por um príncipe majestoso, cantar e encenar a mais bela canção EDELWEIS, e agora nos mostra a lição de perdoar e acreditar nas pessoas, ou melhor dizendo, gatos, como o Bom Deuteronomy.

Como pessoa, cada dia traz atitudes bonitas, como incentivar as pessoas a sempre acreditar em seus sonhos. Alguém que serve como base para muitas pessoas, incentivando você a sonhar, no que quiser, desde que você acredite e tenha garra para ir atrás.

Mesmo morando em um estado diferente, gostaria de almoçar com Saulo para poder conversar e conhecer melhor a vida de uma

pessoa que acredita que a vida deve sempre ser bela, e que nada deve desanimar, pois o que você quer, se acreditar, conseguirá.


Célia Maria Souza

Eu mereço almoçar com o Saulo porque será uma forma super, hiper, mega, maravilhosa de comemorar o meu aniversário. Não consigo imaginar um presente melhor !!!



Marilúcia Lima

A razão que eu gostaria de almoçar com o Saulo:
Se tivéssemos uma escala das 8 principais maravilhas do Brasil, o talento do Saulo com certeza estaria entre elas


Daniel Iamarino

Preciso participar deste almoço pois...
"Não há satisfação maior para um fã do que encontrar com seu ídolo e não há prazer maior para um artista do que ter o seu trabalho reconhecido".




Claudio Vitoriano

Aprendi a gostar de CATS por causa do Saulo Vasconcelos e foi por ele também que encontrei meu caminho no teatro Musical.


Yukiko Adati


Eu gostaria de almoçar com o Saulo Vasconcelos porque o admiro muito e acompanho seu trabalho, e porque seria um presente de aniversário perfeito (faço aniversário no dia 18/09), e seria a própria felicidade, que é o significado do meu nome. Perfeito!!


Bruno Oliveira


“Adoraria almoçar em companhia do Saulo Vasconcelos, porque tenho muita admiração por seu trabalho. Acompanho sua carreira já faz algum tempo e seria uma honra enorme estar em sua companhia neste momento. A primeira vez que vi seu trabalho, foi no musical A Bela e a Fera. Na verdade foi o primeiro musical que assisti. Fiquei impressionado como a união da musica e do teatro pode nos levar a um mundo tão maravilhoso. Depois disso comecei a acompanhar outros trabalhos como O Fantasma da Opera e a Noviça Rebelde. Confesso que sou apaixonado não só por seu trabalho, mas por todos os artistas que conseguem a façanha de atuarem em musicais.”


Ane Caroline

Eu gostaria de almoçar com Saulo Vasconcelos porque ele é um dos maiores nomes do teatro musical no Brasil, fazendo com que a Broadway esteja um pouco mais próxima de nós.


Patricia Ferrari Laraia

Eu gostaria de almoçar com o Saulo porque já conheço todos os personagens que ele interpretou no Teatro Musical. Agora, chegou a hora de conhecer o Saulo!

Paula Augusto

Eu gostaria de almoçar com o Saulo porque, ao ve-lo nos palcos, pude sentir diferentes coisas: como fera ele trouxe a magia do amor, como fantasma a intensidade da musica, como capitao von trapp mostrou o melhor da familia e como Saulo ele se mostrou o melhor dos atores, com a mais linda das vozes...



Sofia Luyten Bedrikow

Eu gosto muito dele e admiro muito o seu trabalho, desde que vi "O Fantasma da Ópera", quando era mais nova. Agora, após assistir "Cats" duas vezes, passei a admirá-lo ainda mais, sua atuação é perfeita e sua voz é incrível. Além disso, eu amei a peça, que é simplesmente linda. Seria uma honra poder almoçar com uma personalidade tão influente do teatro brasileiro, de quem eu gosto tanto e cujo trabalho me fascina. Será uma oportunidade única de conviver com o homem que viveu o Fantasma da Ópera e o Bom Deuteronomy, personagens que marcaram a minha vida de inúmeras maneiras positivas.


Claudia Hemsi Leventhal

Essa é a frase que escolhi para participar dessa super oportunidade, em alusão aos personagens mais marcantes do Saulo!

"Quero almoçar com o Saulo Vasconcelos porque ele é uma fera de inspetor e um
gato que tem 7 filhos em vez de 7 vidas, e que fica bem na fita até quando
assombra o restaurante ou trai o proprietário!"


Rebeca Fragra

Eu gostaria de almoçar com o Saulo porquê ele é um gato, a voz dele é música quem vem da escuridão, ele é fera no que faz, porquê ele é o capitão dos musicais, porque eu agradeço todo dia por ele não ter passado na audição do Rent que acabou nos dando de presente esse ministro da arte, porque tenho várias pretty words pra dizer a ele e como não pode ser num divã, pode ser no restaurante mesmo. Ah! espero que não seja torta de frei...


Cristiane Leopacci

Gostaria de almoçar com o Saulo Vasconcelos porque a admiração que tenho pela sua voz e pelo seu talento tornam a minha alma leve e feliz.


Camila Mathias

Eu gostaria de almoçar com o Saulo Vasconcelos, pois eu sou apaixonada por teatro musical, essa é a minha carreira dos sonhos. E como não poderia deixar de ser, gostando tanto de teatro musical, ter a chance de almoçar ao lado do maior representante do gênero no Brasil, que é alguém que me dá esperança e inspiração pra seguir meu sonho, já que o vejo sempre, mostrando seu talento e simpatia. Além da companhia de outros que possuem o mesmo gosto musical, o que seria uma oportunidade única, agradabilíssima e com certeza, inesquecível


Halina Torres Kondrasovas

Jantar com o Saulo Vasconcelos teria toda a magia e elegância de um musical, assim como no jantar de "A Bela e a Fera”. Teria todo o mistério e esplendor de "O Fantasma da Ópera", ao mesmo tempo que seria tão divertido quanto "Cats".Quero jantar com ele, pois me fez sonhar nas inúmeras vezes que o vi no palco, mais do que interpretando mas realmente encarnando os personagens. Isso seria absolutamente mágico!


Viviane Oliveira

"Por que gostaria de almoçar com o Saulo Vasconcelos ?"

Eu gostaria de almoçar com ele para conhecer um pouco mais a pessoa que ele é, um pouco mais de sua história, como foi que ele começou como ator e se consagrou tão bem, mas, principalmente, eu gostaria de presenciar uma conversa entre ídolos e fãs, onde com certeza ele mostrará o segredo de todo o seu sucesso: talento e carisma!


Valeria Adriane

Eu quero almoçar com o Saulo Vasconcelos porque é o dia do aniversário da minha irmã e ela também se inscreveu. Se nós duas formos a comemoração terá um presente super especial - a presença dele!

Fernanda Machado

Gostaria de ter o prazer em sentir toda magia e encantamento que o Saulo passa em suas atuacões sendo ele de verdade, sem representar nenhum papel... Ter certeza de que td que ele transmite, é de VERDADE, EXISTE!!!! Pra isso, nada melhor que almocar com ele ;-)


Me escolhe!!!! Te adoro!!! Muito!!! E estou torcendo com todo otimismo do MUNDO!!!!!!!!!!

Obrigado, todas as frases foram demais!!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Bastidores de Cats

O programa Making Of em CATS. Programa exibido diariamente no canal Imagine TV da TVA ( canal 6). Apresentação: Fran Fischer

Entrevistando os atores Saulo Vasconcelos, Cleto Baccic e outros.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Saulo Vasconcelos usa roupa peluda de 12 kg no musical "Cats"

O ator Saulo Vasconcelos veste uma roupa peluda de 12 quilos para se transformar no velho gato Deuteronomy, do musical "Cats". E ele fica assim por cerca de 15 horas por semana --são 6 sessões de 2h30 cada. "Morro de calor, principalmente quando o ar-condicionado do teatro não funciona", conta em entrevista ao Guia.

Com dez anos de carreira, o artista --que divide o palco com Paula Lima e outros 37 atores-- diz que a interação dos "gatos" com a plateia encanta adultos e crianças, e que os fãs conseguem reconhecê-lo apenas pela voz: "É incrível!".

O espetáculo é o segundo mais visto da Broadway, estreou em São Paulo no início de março e fica por mais duas semanas em cartaz (até o próximo dia 19). Abaixo, veja o bate-papo com Saulo Vasconcelos, que já protagonizou "O Fantasma da Ópera" e "A Bela e a Fera".

Guia Folha - Quanto pesa sua roupa? Você não morre de calor?

Saulo Vasconcelos - Medi outro dia e deu 12 quilos. Morro de calor, principalmente quando o ar-condicionado do teatro não funciona. E as pessoas ainda vêm passar a mão no figurino, quando me visitam no palco [no intervalo, Saulo fica tirando fotos]. Eu sempre peço pra elas colocarem a mão por baixo e sentirem o suor na pele. Elas ficam impressionadas em ver como eu estou suado. Vida de ator de musical nunca é fácil (risos).

Guia - Esta é uma versão mais moderna de "Cats". Qual a principal mudança?

Saulo - Foi estabelecido que nunca se pode perder a felinidade no corpo. Em produções passadas, isso não era tão levado a sério. Aqui, no Brasil, nós sempre tínhamos que fazer exercícios de improvisão de movimentos felinos, tanto em quatro patas, como em duas. A preocupação com esse detalhe, de não relaxar e acabar ficando muito humano, foi o grande diferencial dessa produção e de nosso diretor, Floriano Nogueira.

Guia - O que você acha que mais impressiona o público?

Saulo - As músicas são muito animadas e pra cima, contagiam bastante o público. A combinação de figurino e maquiagem também chama muito a atenção. O cenário também é muito rico em detalhes --apesar de se passar num lixão, as pessoas ficam admiradas com a variedade de "porcarias" jogadas: temos um pneu de carro gigante, um fogão, um porta-mala de um carro. Tudo isso num tamanho proporcional à altura dos atores gatos. É muito interessante. E a interação encanta igualmente os adultos e crianças.

Guia - Muitas pessoas já assistiram a várias peças suas, mas talvez não reconhecessem você na rua. Isso é bom ou ruim?

Saulo - É bom. Sempre bom! Eu sou, digamos assim, suficientemente reconhecido e prestigiado. Tem pessoas que vão ver "Cats" e me reconhecem pela voz. Dá pra acreditar? É incrível! Elas chegam perto de mim, maquiado da cabeça aos pés, irreconhecível, e perguntam: "Você é o Saulo?? Uau! Sou seu fã!" E eu fico impressionado. E eu fico feliz em ser reconhecido, claro! Que artista não fica? Quem diz que não, está mentindo.
Folha Ilustrada - 09.09.2010

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Masterclass com Saulo Vasconcelos



Masterclass com Saulo Vasconcelos dia 18 de setembro no espaço 10x21,
no horário das 10h às 13h, com o tema: Beats: Idéias, Imagens e Ênfases.


Não percam!

Para mais informações e inscrições acessem: http://www.10x21.com.br/